9 de agosto de 2007

O salto no vazio


"Naquele momento o barco já estava no meio do lago. E as ondas batiam com força no barco porque o vento soprava contra ele. Já de madrugada, entre as três e as seis horas, Jesus foi até lá, andando em cima da água. Quando os discípulos viram Jesus andando em cima da água, ficaram apavorados e exclamaram: - É um fantasma! E gritaram de medo. Nesse instante Jesus disse: - Coragem! Sou eu! Não tenham medo! Então Pedro disse: - Se é o senhor mesmo, mande que eu vá andando em cima da água até onde o senhor está. - Venha! - respondeu Jesus. Pedro saiu do barco e começou a andar em cima da água, em direção a Jesus. Porém, quando sentiu a força do vento, ficou com medo e começou a afundar. Então gritou: - Socorro, Senhor! Imediatamente Jesus estendeu a mão, segurou Pedro e disse: - Como é pequena a sua fé! Por que você duvidou? Então os dois subiram no barco, e o vento se acalmou. E os discípulos adoraram Jesus, dizendo: - De fato, o senhor é o Filho de Deus!


Mateus 14.23 a 33


---

O ponto central da fé não é ter certeza - é ter confiança. A certeza é prepotente, a confiança é dependente. A certeza exclui a dúvida, o arrepio na espinha (e quem não sente arrepio na espinha?). A confiança nos faz dar o passo para fora do barco, mesmo receosos, mesmo apavorados. A certeza é crença, a confiança é fé. O que passou na cabeça de Pedro, possivelmente, foi: se Jesus chamou, alguma coisa vai acontecer e, seja o que for, vai valer a pena.

O problema está em associarmos fé com certezas inabaláveis. A crença é assim - não há dúvida nenhuma, nunca, jamais. Tudo que nos é dito acerca da nossa religião, a ortodoxia toda, vira nossa crença. Na crença, a dúvida é sinônimo de fraqueza. A fé não é assim. Quanto mais dúvida eu tenho, mais confiança preciso ter. Se não me resta mais dúvida nenhuma, não é preciso confiar. Minha única certeza, na fé, é que Jesus está lá, de pé sobre a água me chamando. E se ele está me chamando, vale a pena me jogar no vazio - e confiar.

Então, se alguém quer seguir a Jesus, tem que se lançar no vazio, mesmo cheio de dúvidas, e incertezas, pela simples confiança de que, seja lá o que for que venha a acontecer, vale a pena. Não é pra ter certeza! O que importa é ver Jesus, conhecê-lo e entender que ele pede simplesmente para seguirmos seu modelo. E isso é muito mais difícil do que a mais piedosa das crenças.




Veja também:
Não há vida sem morte
Acerca do chamado
Fé e crença – Jaques Ellul, na Bacia das Almas.

6 comentários:

  1. A fé não é assim. Quanto mais dúvida eu tenho, mais confiança preciso ter.

    Acho que estou em algum lugar dessa caminhada.

    ResponderExcluir
  2. A fé se alimenta da dúvida.

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que estou nessa caminhada (ou nessa trilha) também. Mas tenho minhas dúvidas...

    ResponderExcluir
  4. Cara, gostei muito!
    Teu texto devia ser publidado no blog dos caras que tão apedrejando o Gondim no caso do racha da igreja no Ceará!!! Eles tem certeza, e pensam ter fé!!!
    Dá só uma olhada no que os caras escreveram:
    http://tempora-mores.blogspot.com/2007/08/pastores-e-igrejas-da-betesda-rompem.html
    Impressionante !!!

    ResponderExcluir
  5. É Rubinho. Li o que os escreveram. É esse tipo de certeza que começa uma jihad...

    ResponderExcluir
  6. Belo texto Tuco!

    Abraços!

    ResponderExcluir